Top 5: momentos arrasadores em “Join or Die”

Top 5: momentos arrasadores em “Join or Die”

Esse décimo terceiro episódio, “Join or Die”, deixou a gente de boca aberta. Não se se fico feliz com Indra, ou desesperada por Kane, ou só sem reação por Luna. Aliás, descobrimos que nem tudo é flores e achá-la foi mais fácil do que será convencê-la a trabalhar com eles. O Top 5 Momentos dessa semana tá quentinho, então vem ver! Alerta de spoiler!

 

1. Flashbacks. Vamos juntar todos os flashbacks desse episódio aqui e dizer: cara, o que são essas crianças na Arca? Murphy sendo mais arrogante que nunca, Jasper sendo nosso menino fofo que quase morreu na primeira temporada, Octavia sendo uma garota bem diferente de qualquer personalidade que ela poderia vir a ter, até Harper sendo naturalmente ácida. Todos eles deixaram aquela sensação nostálgica, com saudades da primeira temporada onde todo o problema que eles tinham eram Anya em formato de Grounder desconhecida. Saudades de quando eles ainda eram relativamente inocentes com todas as coisas que ainda aconteceriam com eles: nunca, nem em sonho, imaginávamos que eles estariam nessas condições, agora. Ah, a saudades!

 

2. Tortura. Eu duvido que tenha alguém que diga que não estava sentindo falta de Indra. A guerreira se tornou nossa ídola ainda na segunda temporada, enquanto tornava Octavia sua segunda em comando. E nós sofremos por ela na terceira quando ela se fechou e parou após o ataque de Pike sobre o 300 Grounders. Alguns acharam que ela tinha se perdido para sempre, mas nós sempre esperamos que ela aparecesse outra vez como a Indra que conhecemos e amamos – principalmente por sua língua afiada. Quando, então, Pike é colocado para dentro da sela e ela fala naquela voz altiva e cheia de rancor, ao mesmo tempo, só faltou soltar fogos. A tortura a que ela submete o ex-chanceler nos deixou ainda mais atentos, porque a morte dele foi o que desejamos por muito tempo, não neguem!

 

3. Kane. Foram três estágios Kane nesse episódio. O primeiro foi a entrada dele, até a aparição mentirosa de Abby no quarto onde ele estava preso. Até ali ele queria entender, saber o que estava acontecendo, e nós estávamos apreensivos por ele. Depois foi sua descoberta sobre a Dra. Griffin, e sua crucificação, que deixou todo mundo em desespero. Então, Jaha ameaça estourar a cabeça de Abby, da mesma forma que Pike realmente fez com Lincoln, para que ele se entregasse. Alguns acharam que ele manteria a palavra e não aceitaria – afinal de contas ninguém que engole aquela coisa realmente morre, não é mesmo – mas então ele implora para que ele não faça aquilo, e engole o chip. Os adultos em quem confiávamos, aos poucos, estão caindo, e o circulo tem se fechado cada vez mais. Fomos obrigados, na segunda temporada, a aceitar novos personagens, e a impressão nesse momento, é que ao final da terceira estamos voltando ao mesmo círculo de amizades, com algumas poucas excessões. Brilhante.

 

4. Luna. Nadia Hilker apareceu por menos de dois minutos, e já destruiu as esperanças de muita gente. Desde as fotos promocionais a entrada de Luna têm deixado todos apreensivos. Acredito que até sua aparição a galera já não tinha mais unhas, e a forma tranquila e exalando paz com que ela entra nos deixou confusos, se não preocupados. Lexa apareceu com truques, e enganou Kane e Jaha. Anya apareceu com um exército e pronta pra matar sem perguntar porquê, e Luna entrou de maneira tão calma que já deveria ter disparado os alarmes de alerta vermelho em nossas cabeças. Encontrá-la, numa escala com todas as aventuras que eles já tiveram em The 100, não foi difícil, então deveríamos ter imaginado que difícil seria fazê-la ajudar. Seu não para Clarke foi mais que categórico, e nos diz que se ela voltar atrás será por um argumento que, no momento, nenhum deles ali tem. Será que em três episódios eles conseguem encontrá-lo?

 

5. Plataforma. Vai dizer que aquele lugar onde Luna e os outros estão não parece as nossas plataformas petrolíferas? A semelhança é tanta que nos deixa com uma vontadinha daquilo ser aqui pela América Latina, pertinho do Brasil. O fato dos guerreiros da última Sanguinária da Noite doparem quem quer que queira passar para as “terras” de Luna fez bastante sentido quando mostrou o lugar onde eles estão. É isolado, e não parece nem um pouco com um lugar de gente que luta. Além de queremos entender o porquê Luna decidiu ser pacifista, o porquê dela morar em um lugar muito isolado, queremos descobrir porque apenas a menção do nome de Lincoln – saudades, garoto! – já os colocou automaticamente dentro do barco para a terra desconhecida. Curiosos estamos, e provavelmente sem resposta ficaremos.

 

“Join or Die” nos deixou bem apreensivos tanto em Polis quando em terras de Luna, e a impressão é que “Red Sky at the Morning” não vai melhorar muito essa situação. Mesmo assim, você não pode perder o décimo quarto episódio, que vai ao ar nessa quinta-feira, dia 05.

 

© Texto: Dheel Hauptmann – Equipe The 100 Brasil – Não reproduza sem os créditos.