Todas as séries devem aprender com The 100 sobre como criar um final de temporada!

Todas as séries devem aprender com The 100 sobre como criar um final de temporada!

A Forbes publicou uma crítica referente aos finais de temporadas das séries atuais da CW, e é claro que The 100 não ficou de fora. Elogios e mais elogios foram dados ao gancho perfeito para a quinta temporada, leia abaixo:

Por alguma razão, a CW decidiu que era hora de terminar todas as suas séries esta semana, alinhando um monte de finais temporada que eu tenho feito o meu caminho desde a Supergirl na segunda-feira. Depois de The Flash e Arrow, eu me deparei com a de The 100, e eu tenho que dizer que este é um dos finais de temporada mais bem orquestrada que eu já vi, e outras séries devem aprender com isso.

(…)Mas agora chegamos ao The 100, o drama pós-apocalíptico da CW que você deveria estar assistindo. Eu falei sobre a série muitas vezes, como ela começa como um drama adolescente nos primeiros episódios, mas rapidamente se eleva em algo completamente diferente, e continua a ser um dos melhores programas de ficção científica na TV.

Não resumirei as últimas quatro temporadas, mas, em resumo, os poucos sobreviventes da Terra agora são forçados a se esconder de uma onda global de radiação causada pela fusão de dezenas de usinas nucleares em todo o mundo. Um grupo se esconde em um bunker, enquanto outro tenta voar para uma estação espacial, e ambos os grupos devem ser capazes de retornar à superfície em cinco anos, uma vez que a radiação tenha enfraquecido.

Clarke, a principal protagonista da série, não chega a nave espacial a tempo, já que está ocupada tentando ativar a energia da estação para que seus amigos possam realmente aterrissar lá e abrir as portas.

Aqui é onde teria sido fácil criar um cliffhanger ruim. A torre de energia em que a Clarke está, está com problemas, e ela grita em frustração, pensando que ela falhou. No espaço, todo o grupo está ficando sem ar e a estação ainda não tem energia. Todo mundo começa a sufocar. E a cena é cortada.

Isso aconteceu, quase exatamente assim, exceto que após o corte, ainda havia mais para vir depois do intervalo comercial. Vemos a energia da estação em andamento e uma seqüência prolongada onde o grupo tem que obter o oxigênio fluindo antes de morrer dentro da estação em vez de fora. Clarke, entretanto, retorna a um mini-bunker, mas não antes que sua pele comece a borbulhar da radiação. Isso também poderia ter sido outro cliffhanger, um pouco melhor, mas ainda não foi.

Onde finalmente terminamos em um final de tipo um “epílogo”, onde vemos Clarke (com um corte de cabelo novo e elegante) mais de seis anos depois. Ela está dirigindo por toda a parte da terra que não foi totalmente frito por radiação, tentando entrar em contato com a estação espacial para entender por que seus amigos não voltaram, embora tenha sido seguro para vir a terra por um ano já. Ela diz como ela não foi capaz de contatar as pessoas no bunker também, seus destinos ainda são desconhecidos. A cena final mostra uma nave espacial que desce do céu, mas não é sua nave. É outra coisa. Ele tem um logotipo corporativo e diz “Prisoner Transport” do lado. E então é aí que acaba.

Por que isso funciona como um gancho?

– Enquanto a série poderia ter deixado facilmente o destino de Clarke desconhecido, ou implícito que ela morreu, The 100 saiu de seu caminho para garantir que de todos, nós sabíamos que ela sobreviveu. Este é o oposto polar da situação de Barry Allen que nós nos encontramos nessa semana.

– Os destinos do resto do elenco são desconhecidos, mas não se espera que acreditemos que todos estão mortos. Isso cria o suficiente de um mistério para manter todos voltando no ano que vem para descobrir o que todos fizeram por cinco anos e onde estão agora, mas não precisamos suspender a descrença e assumir que Clarke é o único que ficou vivo. A série não está implicando isso.

– A série introduz um novo mistério genuinamente interessante em seus momentos finais, indicando a direção da nova temporada. Outras pessoas? Uma nova nave espacial? O que diabos está acontecendo? Mas isso também foi algo para prender os super fãs, os super fãs são aqueles que lembram uma conversa sobre anos atrás, falando que o sangue noturno foi desenvolvido para os prisioneiros enviados para minerar asteroides antes do “mundo acabar”. Agora parece que após muitos anos, alguns desses prisioneiros (e seus guardas?) finalmente retornaram para casa como uma nova “facção” que provavelmente não será coisa boa.  É uma brincadeira perfeita para a próxima temporada.

Em suma, The 100 não tenta enganar o público com truques de câmera e não acha que eles são estúpidos fingindo que mataram o personagem principal ou o resto do elenco. Tenho visto muitas séries acabarem em notas realmente estúpidas, e foi bom ter esse final como um sopro de ar fresco, fazendo quase tudo certo. Espero que outros programas tomem nota e aprendam com o exemplo dos 100. E, naturalmente, eu não posso esperar para o próximo ano.

A quinta temporada de The 100 só estreia em meados de janeiro a março de 2018, na CW.

© Tradução: Rhaiza Braga – Equipe The 100 Brasil – Não reproduza sem os créditos.