The 100 | Review – 3×12: Demons

Depois de um intenso episódio na semana passada que trouxe bastante reflexão sobre os personagens e a forma como estão sendo conduzidos na trama, “Demons” chega como um fator decisivo para o resto da temporada, unificando os dois arcos (que em outro texto eu havia comentado) que se desenvolvem em paralelo. Creio que daqui pra frente não veremos mais The 100 da forma que foi apresentada no início da temporada, dois lado tentando se equilibrar, mas cada um de seu próprio jeito. Não. Os eventos finais desse episódio unificarão de uma vez por todas, esses dois lados, o que a meu ver já passou da hora.

A estratégia que os produtores utilizaram para desenvolver os eventos em Arkadia e na Polis de forma separada, mas mantendo uma certa ligação de influência entre as duas, foi interessante no começo, porém acabou se perdendo completamente quando a Polis perdeu o foco na sua “guerra” declarada à Nação do Gelo, instaurando uma crise política extremamente fatigante nos domínios Grounder, o que obrigou os produtores a verem a Polis de forma única e independente, e o mesmo aconteceu em Arkadia. Os dois lados acabaram saturados com os seus próprios demônios. Mas as coisas começaram a mudar.

O episódio dessa semana trouxe, primeiramente, a explicação para Clarke e seus amigos sobre o que é realmente essa segunda versão da Alie, sua origem e um pouco da história, do grande desastre causado pela Alie. Foi uma forma de contar resumidamente aquilo que aprendemos de forma maravilhosa anteriormente. O mais interessante desse momento foi ver a reação da Clarke quanto ao uso dessa nova interface para garantir a salvação tanto de Arkadia, quanto da Polis. Na semana passada eu comentei sobre o possível conflito que ela enfrentaria ao descobrir toda a história por trás a I.A., felizmente, à primeira vista, sua reação foi a mais positiva possível, pois ela irá beneficiar os dois lados envolvidos e está disposta a fazer isso a qualquer custo.

A presença do Emerson nesse episódio e a sua tentativa de assassinar os amigos da Clarke como uma forma de vingança, serviu apenas como um divisor de águas, como um artifício para que a trama do episódio pudesse fluir com um pouco mais de ação e o plot em Arkadia não ficar tão parado. O ponto decisivo mesmo do episódio ocorreu na Polis quando a Alie assume a posição de Heda, após conseguir enganar o Murphy através da Emori, juntar informações e arquitetar a sua caminhada para garantir o controle da mente da Ontari.

Agora é a vez da Polis sucumbir sob a influência dos chips e do controle mental que a Alie exercerá sobre todos. Com Ontari sob seu controle e Jaha ao seu lado, Alie conduzirá os Grounders com o mínimo de esforço. Haverá resistência, é evidente, Clarke será a principal delas, mas acredito que em algum momento as demais nações se unirão para destruir esse mal que se chama cidade das luzes, e nesse momento Clarke terá acesso à Luna e descobrirão a chave para conter a Alie1.


  • kenia

    Gente o 12 ep da 3 temp foi bom, mas onde foi parar o Cane? Ele não estava com a turma que saiu de Arcadia?

    • Eduardo Amorim

      Ele estava indo para Pólis com os grounders que pegaram Pike.