Review do Episódio 1×03: Earth Kills

Se já é difícil sobreviver na Terra, imaginem após o apocalipse!

Assisto The 100 e fico pensando que as dificuldades não desaparecem nunca, não importa em que ano você vive ou em que condições a Terra se encontra. Hoje vivemos em um mundo atual, com uma tecnologia avançada, comida, água, condições de sobrevivência e mesmo assim, quantas pessoas morrem por dia? Morrem assassinadas, morrem afogadas, morrem queimadas. Viver não é fácil, ponto. Hoje ou daqui cem anos, após o apocalipse. O fato de você viver, já significa que você terá que sobreviver e aí já é difícil o bastante.

Feita essa reflexão que tive que compartilhar com vocês, vamos comentar sobre o episódio. The 100 segue na mesma toada, sem pressa, construindo a história, desenvolvendo os personagens e apresentando as dificuldades de se viver em um mundo pós apocalíptico. Já é complicado o suficiente, com “sem-terras” assustadores andando por aí, animais radioativos, até que conhecemos Charlott, a filha do tinhoso, que não sabe lidar com pesadelos e sai matando os outros. Confesso que não gostava muito do Wells, mas nunca achei que ele merecia morrer, não desse jeito pelo menos. Fato é que ser o filho do Chanceler não deve ser lá a coisa mais fácil do mundo, principalmente alí embaixo, sem proteção e com tantas pessoas rancorosas. Charlott era uma delas. Dá para entender a tristeza que ela deve sentir, afinal, viu seu pai e sua mãe serem executados, mas Wells não tinha culpa, aliás, ele foi culpado por tudo, sem ter culpa de nada. A garota só tinha 13 anos, estava sozinha, sem ninguem para ampará-la, com medo, assustada e foi cair justamente na lábia do Bellamy. Não, ele não mandou matar Wells, mas deu uma faca na mão de uma criança totalmente desorientada e só poderia dar merda. Tenho certeza que esse assassinato ainda vai dar muito pano para manga, principalmente quando Clarke descobrir.

Falando nela, foi bacana conhecer um pouco sobre o passado na Arca e entender melhor como o seu pai foi executado e o motivo. Sabíamos desde o primeiro episódio que ela culpava Wells por tudo, mas novamente, ele não fez nada. Eu, no lugar dela, também não iria acreditar que tinha sido minha própria mãe quem cavou a cova do meu pai e se isso me passasse pela cabeça, teria tirado satisfação há muito tempo. Foi uma traição danada de Abbie e nem imagino quantos problemas ela arrumou com Clarke nesta situação toda, porque se ela realmente está descendo, esperava encontrar a Clarke, sua filha querida, mas a menina está totalmente mudada, uma líder de verdade e duvido muito que vá aceitar sua mãe tão fácil depois de saber o que fez. Alías, senti falta da Arca atualmente, quero ver logo se a mecânica conseguiu arrumar a máquina e se Abbie vai mesmo conseguir chegar no solo, será muito interessante. Ah, não posso deixar de comentar sobre a execução, que foi bem legal. Nada de armas, nem injeções letais, somente o vácuo e a falta de oxigênio do espaço, cruel apenas.

E gente, o que dizer sobre a fumaça ácida? Essa Terra tá muito trolladora. Até pantera com pele de hyena eu esperava, mas uma fumaça que mata pessoas, essa me pegou de surpresa. Achei um pouco viajado, confesso, mas não chegou a ser ruim. Além de ser um ambiente hostil, o planeta é um ambiente extremamente estranho. Aliás, essa fumaça dumal só serviu para acabar com a nossa (ou só minha) alegria de ver Octávia e Atom se pegando no campo de borboletas de LED. TADINHO! Sofri com a morte dele, não queria não. Parece que estão querendo matar os personagens que mais me identifico, acho injusto. O que deu para tirar da morte de Atom é que Bellamy tem um coração, bem escondido e quase imperceptível, mas tem. Ele tem essa necessidade de ser líder, de fazer as próprias regras, de querer o mundo o seguindo, mas ainda não chegou a ser bárbaro e a prejudicar as pessoas por prazer. Ele ficou puto que Atom o desobedeceu com relação a Octávia, foi lá e deu uma lição nele, mas depois disso, quando achou que era o bastante, agiu como se nada mais tivesse acontecido. Não chega a ser justo, mas se o senso de justiça que ele carrega é esse, ainda que deturpado, é uma justiça. Ele é idiota (não mudo minha opinião), mas se conviver com as pessoas certas, pode se tornar um cara melhor. Clarke é uma das que pode e provavelmente vai ajudá-lo nisso. Se ele fosse um assassino frio, teria matado Atom sem pensar, mas ele se sensibilizou com a situação do amigo e não conseguiu. Clarke, neste sentido, é muito mais forte e fria do que Bell, ela sabe agir racionalmente nos momentos de fraqueza.

E Clarke tem algo que admiro muito, essa determinação sem fim. Quando ela se propõe a fazer algo, vai à fundo. Ela se joga de cabeça e não há cristo que a faça voltar atrás. Nem sei se existem pessoas assim, mas acho incrível, de verdade. Ela é um pouco chata e cansativa em alguns momentos, mas faz parte da personalidade. Vejo Clarke cada vez mais como uma líder e ela vai comandar essa galera toda e sob o seu comando, ninguém mais vai passar fome ou morrer, quer dizer, acredito que ela se esforçará cada vez mais para evitar que isso aconteça. E digo isso por tudo que ela fez por Jasper. Enquanto muitos estavam prestes a desistir, ela não parou de correr atrás um minuto sequer, nem quando sua própria vida estava em jogo. A fumaça assassina rolando lá fora e ela incomodada porque não estava atrás da alga. De verdade, gosto dessa garota, me inspiro nela, sem contar que graças a ela nosso querido Jasper está mais vivo do que nunca! Quero que ele volte logo à ativa e seja o alivio cômico necessário e que a série ainda não apresentou. Ah, agora que Atom passou dessa para melhora, já pode voltar a shipar Jasper e Octávia?

Observações Finais:

– Li vários comentários sobre a morte de Wells e gente, nunca vi tanta comemoração. Acho que Charllot ganhou muitos fãs! hahaha

– RIP Atom

– RIP Wells

– Parem de matar o elenco, deixem isso para The Following, obrigada.

Pessoal, por hoje ficamos por aqui. Nos vemos no próximo episódio. Até lá!!