Jason Rothenberg explica porque 4ª temporada está diferente de tudo já visto na série

Jason Rothenberg explica porque 4ª temporada está diferente de tudo já visto na série

The 100 já foi uma série simples e sem muitas críticas, com um fandom culto e devoto, mas na primavera passada, o drama da CW se viu no centro de duas controvérsias. As mortes de Lexa (Alycia Debnam-Carey) e de Lincoln (Ricky Whittle). No entanto, os fãs que estão pensando em abandonar a série estariam fazendo uma péssima escolha ao não dar outra chance.

Quando a série de distopia/ficção científica retornar, para uma quarta temporada, na quarta-feira, nossos heróis estarão enfrentando seu maior inimigo enquanto as usinas nucleares derretem, liberando uma onda de radiação que tornará inabitável 96% da superfície da Terra em seis meses. Tempo. Este desafio será diferente de tudo o que Clarke (Eliza Taylor) e seus amigos já enfrentaram antes, e vai forçá-los a decidir o que é mais importante: salvar seu próprio povo ou salvar o mundo.

Antes da estreia, TVGuide.com falou com o criador Jason Rothenberg sobre como os personagens vão responder ao apocalipse que se aproxima, o que isso significa para as já confusas alianças políticas dos Skaikru e o que ele aprendeu com tudo o que aconteceu na temporada passada.

Ao contrário dos principais obstáculos nas temporadas anteriores, uma fusão nuclear não pode ser combatida ou raciocinada. Como essa situação vai revelar novos lados para nossos personagens principais enquanto eles lutam para descobrir como sobreviver?

Que grande pergunta! Isso é definitivamente o centro de tudo, certo? Estamos apresentando esse obstáculo que eles não podem vencer; Eles só podem tentar descobrir maneiras de sobreviver. Então se torna sobre quem sobrevive, como nos decidimos, como você quer viver estes últimos seis meses? E isso é realmente, para responder à pergunta, como revelamos os personagens de maneiras interessantes e diferentes. O que eles fazem quando confrontados com a sentença de morte nos diz muito sobre quem eles são. As pessoas reagem de diversas maneiras à notícias como essa. Você pode lutar até a morte. Você pode se render e apenas quebrar. Você pode se render e decidir seguir o fluxo ou tentar fazer o melhor dele até o fim. E veremos personagens fazendo tudo isso, mas você está certo, é um relógio implacável desde o início da estreia até o fim da temporada.

Existe um status dentro deste mundo onde todo mundo é ferozmente leal ao seu clã. Como esta nova situação desafiará ou mudará onde as lealdades das pessoas estão e como as alianças são formadas ou quebradas?

OK, então você é um cara com perguntas literalmente incríveis, porque para mim, toda a temporada é sobre isso. Toda a temporada é sobre, “Você é seu clã ou você é um ser humano?” E Clarke, ela transcende o tribalismo e ela está procurando uma maneira para que todos possam sobreviver. Ter uma solução somente para Arkadia não é suficiente. E acho que, infelizmente, talvez a maioria das pessoas não seja assim. A maioria das pessoas reage a situações como esta de uma forma tribalista e cavam trincheiras ao redor do mundo e dizem: “Vamos salvar minha família”. A propósito, é a natureza humana. Eu faria a mesma coisa provavelmente. Você salva a sua família em primeiro lugar, é claro. Você salva seu país primeiro, é claro. Nós todos somos patrióticos, mas no final do dia, quando a coisa que está vindo para você vai matar todo mundo, você pode descobrir uma maneira de se unir e enfrentá-la juntos? Isso é o que esta temporada é sobre. Isso é o que Clarke está tentando fazer. Grande pergunta.

Clarke sempre lutou contra à responsabilidade de liderança, mas ela sempre encontrou uma maneira de salvar seu povo no último minuto. Como sua jornada nesta temporada será diferente da que vimos antes?

Quando você está tentando salvar o seu povo à custa de todos os outros, então você faz coisas como puxar a alavanca em Mount Weather ou qualquer que seja o caso. Você faz uma escolha que a sobrevivência de seu povo é o mais importante. E como eu estava dizendo na minha última resposta, Clarke transcendeu o conceito do meu povo e seu povo, em grande parte devido ao seu relacionamento com Lexa. Ela influenciou Clarke de maneiras enormes em termos de ver o mundo de uma maneira diferente. “Estamos juntos nessa.” E Clarke vai tentar viver com isso. A dificuldade, é claro, é que você não pode salvar a todos. E então, em que ponto você percebe: “OK, meu povo vai ter que abrir mão de alguma coisa para deixar seu povo viver? Estou disposto a fazer isso? Estou disposto a viver com menos para que o clã X possa viver com alguma coisa?” Esse é o dilema dela nesta temporada, que eu acho muito legal. E Eliza Taylor, como sempre, faz isso brilhantemente.

Bellamy (Bob Morley) ainda está lutando profundamente com as escolhas que ele fez na temporada passada. Como essa culpa se manifestará e como ela mudará a forma como ele reage à radiação iminente?

Eu acho que Bellamy e Clarke, como uma unidade, estão dedicados ao mesmo problema, que é o fim do mundo, mas eles têm filosofias diferentes no início da temporada. E você está certo. Bellamy está preocupado com a culpa de suas ações anteriores, não apenas da temporada passada, mas voltando para a primeira temporada. Ele atirou em Jaha para ir para a Terra e estar com sua irmã. Ele jogou fora um rádio para que eles não descessem, o que levou à morte de muitos na Arca e ele provavelmente se culpa por isso. Todas essas coisas pesam em sua alma, em sua consciência, e ele está tentando virar a página. Ele está tentando escrever o livro, eu acho, de seus pecados, se você pudesse chamá-lo assim. Não sei se Bellamy faria isso, mas a verdade é que ele tem essa sentença de morte e quer fazer o máximo que puder enquanto ainda puder. Portanto, suas escolhas são diferentes. Sua escolha é, “Eu vou salvar quem eu posso salvar hoje e então vamos nos preocupar com o resto amanhã.” E Clarke pensa mais na situação como um todo. Isso é geralmente a maneira que rola.

Ao contrário de todo mundo que pelo menos tem seu clã para confiar, Octavia (Marie Avgeropoulos) é uma mulher entre mundos. Como é a sua jornada para se encontrar e encontrar o seu lugar?

A jornada da Octavia é dura nesta temporada. Ela está caindo na escuridão. Ela certamente está desamparada. Ela não tem pessoas. Ela não tem lugar a que pertença – pelo menos é o que ela pensa. Isso está acontecendo há um tempo. Obviamente, a perda de Lincoln aumentou essa situação. Vai demorar um pouco até que ela descubra uma saída para isso, se ela fizer isso. Para mim, é uma das minhas histórias favoritas nesta temporada. Sua viagem até o final da temporada vai surpreender as pessoas com certeza, mas agora ela está enchendo o seu vazio emocional. Ela está morta por dentro e o único momento em que ela pode sentir alguma coisa é, ironicamente, enquanto ela está perto da morte. E quero dizer tanto ao matar, bem como colocar-se em perigo. É uma viagem escura. É uma viagem legal. Marie Avgeropoulos aumentou sua atuação para níveis além do que eu jamais imaginei possível para ela, honestamente, até quando a escolhemos para o papel. Ela é tăo boa. Ela encontrou um lugar só dela como atriz e é realmente incrível fazer parte, e ser capaz de ter um pouco de crédito nessa ascendência como uma atriz e artista. Tem sido especial para mim.

O show enfrentou algumas críticas na temporada passada. O que você aprendeu com as críticas e com os fãs e como foi organizar esta temporada por causa disso?

Você tem que aceitar o bom com o mau. Este show tem sido uma bênção para mim e para minha família do começo ao fim. Sim, obviamente, é melhor quando todo mundo está sendo gentil com você, mas você não pode prestar atenção a isso mais do que você poderia prestar atenção quando os comentários são bons. Então, para mim, é sobre colocar minha cabeça para baixo e escrever o show e contar a história que eu quero contar. E, finalmente, tentar bloquear o resto o quanto eu puder. Essa é realmente a lição que aprendi como produtor. Espero que as pessoas assistam ao show e percebam que tentamos constantemente fazer um balanço e fazer ajustes com certeza, mas a história vem em primeiro lugar. É sobre os personagens primeiro. Eu deixo o show falar por mim agora.

 

 

Fonte: TVguide.com

© Tradução: Carolina Araujo – Equipe The 100 Brasil – Não reproduza sem os créditos.