Acontecimentos de The 100 na 3ª temporada baseado em notas: quais se saíram bem e quais foram reprovados?

Acontecimentos de The 100 na 3ª temporada baseado em notas: quais se saíram bem e quais foram reprovados?

A 3ª temporada de The 100 foi uma das mais comentadas até agora, e por uma boa razão. Temos certeza que alguns fãs já estão fazendo planos de re-assistir aos episódios sem parar durante o estendido hiatus da série: a Primavera de 2017 nunca esteve tão longe!

Esse ano, houveram alguns enredos com controvérsias, enquanto outros se destacaram excepcionalmente pela sua escrita impecável e atuações extraordinárias. Separamos alguns ganhadores (e perdedores) nos baseando pelo boletim do Zap2It. Descubra quais personagens e enredos passaram sem nenhum esforço e quais deveriam se auto-avaliar no verão.

Duelo de espadas — A++

lexa roan

O duelo entre Lexa (Alycia Debnam-Carey) e  o Príncipe Roan (Zach McGowan) foi o grande destaque de toda a temporada. A luta em si foi magistralmente coreografada para criar o máximo de tensão e suspense, e no final teve o coração de todo mundo beirando a garganta. Adeus Rainha Nia (Brenda Strong).

Príncipe Roan — A

tumblr_o1pg2ujM6C1swpcmdo1_540

Sendo um enredo muito aguardado, The 100 introduziu a temida Nação do Gelo onde o seu Príncipe tornando-se Rei não foi uma decepção. Roan foi o perfeito inimigo e aliado para Clarke em Polis e muito além disso, e estamos com nossos dedos cruzados para que ele não tenha morrido depois de levar um tiro em “Perverse Instantiation: Part One.” Precisamos ver o seu rosto mais vezes.

A cantoria no Jipe — A

giphy15 The 100 Season 3 report card: Duels get an A+, but deaths ... not so much

Não é sempre que esses personagens tem um momento livre e divertido, como cantar junto com alguma música incrível, porque afinal eles são apenas adolescentes. Pode ter durado por um breve momento, mas a cena onde todo mundo (quase todo mundo — desculpe Clarke) começaram a cantar rock enquanto Octavia cavalga ao lado deles com certeza é um momento do qual vai entrar para o livro de The 100.

Monty e Jasper — A-

tumblr_inline_o71jgdt3wM1tlrxvt_500

Estamos céticos sobre o quanto apreciamos a disputa entre Monty (Christopher Larkin) e Jasper (Devon Bostick) esse ano, mas com o final da temporada, vê-los juntos novamente foi muito gratificante. Ver o modo que esses dois melhores amigos lutavam com o seu próprio luto de jeitos completamente diferentes, foi uma bela forma de contar a história deles esse ano. A última fala de Clarke sobre que não dá para aliviar a dor e sim superá-la foi a perfeita personificação sobre Monty e Jasper na 3ª temporada.

Cidade da Luz —B+

Você não pode ser uma verdadeira série de ficção científica se não tiver uma inteligência artificial, e ultimamente, A.L.I.E (Erica Cerra) foi uma vilã aterrorizante. A sua habilidade de colocar os personagens uns contra os outros criou momentos de partir o que coração que não conseguimos nem começar a numerá-los, e ela também conseguiu gerenciar o que certamente será o carro chefe da 4ª temporada: a catástrofe dos reatores nucleares do munto inteiro.

Chanceler Pike — B+

tumblr_o2vkay45Qf1tj97w4o4_500_zps5dltudaj

Pike (Michael Beach) tomou conta de Arkadia — enquanto estava frustrado — de uma forma realística e convincente, além de sua atuação ter sido excelente. Na primeira parte da temporada, você quase que simpatizava com a sua mentalidade distorcida sobre os Terra-firmes. Meio que nos tornamos fã dele do modo como ele atraiu Bellamy para a sua armadilha, e do jeito que ele ecoou de volta as habilidades combativas que Bellamy exibiu na 1ª temporada. A morte de Pike definitivamente foi satisfatória e um choque para se terminar a temporada.

Luna — B-

giphy16 The 100 Season 3 report card: Duels get an A+, but deaths ... not so much

Nós estivemos esperando por Luna (Nadia Hilker) há anos, e a sua cidade flutuante era a bomba. Infelizmente, por mais incrível e destemida que Luna fosse, a jornada para encontrá-la foi como um certo fardo no final do dia, quando Clarke e o seu grupo voltou para um lugar seguro de mãos vazias.

A morte de Lexa — C+

tumblr_o3is8d8NTP1tbhcf3o1_500

A polêmica que a morte de Lexa teve fez com que ficasse na nota intermediária. Em última análise, porém, a morte de Lexa se tornou incrivelmente importante à narrativa, desde que lançou a longa jornada de destruir A.L.I.E e proteger a Chama. E, ainda tivemos a chance de ver Lexa na Cidade da Luz pela última vez, que se tornou um momento incrível para dizermos adeus a essa personagem magnífica.

A morte de Lincoln — F

lincoln dies The 100 Season 3 report card: Duels get an A+, but deaths ... not so much

Talvez seja todo o drama por trás dos bastidores que chegamos a essa conclusão aqui, mas a morte de Lincoln (Ricky Whittle) foi totalmente sem nexo, desnecessária e decepcionante. Sabemos que ele precisava sair para estrelar “American Gods,” mas nem a busca de vingança da Octavia poderia aliviar o desapontamento de perder o Lincoln para esse vasto mundo.

© Tradução: Andressa Montagna – Equipe The 100 Brasil – Não reproduza sem os créditos

  • Denise Teles de Oliveira

    Plantar a discórdia agora. Embora eu tenha chocado e suado pelos olhos com a morte do Lincoln, dentro daquela situação e naquele contexto, só poderia acontecer o que aconteceu (mudar as pessoas, se doar por aquilo que é certo é o Lincoln, e mais do que isso, se responsabilizar por suas atitudes é o Lincoln) e na sequencia de eventos, a morte dele deu o peso necessário as atitudes descabidas do Bellamy. Lógico que eu não gostei, a dor da Octavia foi terrível de ver, mas teve um sentido dentro da história. Até pq o Lincoln de certa maneira, completou o arco de história dele, ele fez a ponte entre os dois mundos e fez o povo do céu conhecer a cultura grounder e fez os grounders confiarem nessas pessoas. Ele amou a Octavia, ela o amou e eles viveram isso. Eu gostaria que ele pudesse continuar, mas dentro da bagunça que o Pike e a ALIE fizeram, o Lincoln cumpriu um papel de começo, meio e fim, na minha visão, melhor do que a morte de Sinclair (q foi um mero corte no elenco, sem nenhum proposito real). A morte do Lincoln nos evidencia o erro grave das ações do Bellamy e a mediocridade contida em Pike, um personagem que tenta redenção no fim de sua jornada, mostrando que até a pior pessoa tem suas virtudes, porém o ato de matar Lincoln expõe um líder mesquinho e inconsequente, sem capacidade de avaliar ameaças, que reage ao perigo, sem reflexão (não conhecer o “inimigo” é um erro fatal e por isso o Pike morreu, ele era um completo ignorante a respeito dos grounders … jus drein jus daun)